sexta-feira, 9 de julho de 2010

Balsa do relacionamento.

Quando a insegurança sobe a bordo, perde-se a confiança, a ponderação e a estabilidade da navegação.À deriva, a frágil balsa do relacionamento oscila entre as duas rochas nas quais muitas parcerias esbarram: a submissão e o poder absolutos, a aceitação humilde e a conquista arrogante, destruindo a própria autonomia e sufocando a do parceiro. Chocar-se contra uma dessas rochas afundaria até mesmo uma boa embarcação com tripulação qualificada – o que dizer de uma balsa com um marinheiro inexperiente que, criado na era dos acessórios, nunca teve a oportunidade de aprender a arte dos reparos? Nenhum marinheiro atualizado perderia tempo consertando uma peça sem condições para navegação, preferindo trocá-la por outra sobressalente.
Mas na balsa do relacionamento não há peças sobressalentes.

Zygmunt Bauman citando Christopher Clulow in “Amor Líquido” – Pag. 31

4 comentários:

Vanessa Souza Moraes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paty disse...

Saudade por blosmose. NOSSA, não foi boa MESMO.

Mas enfim, te queremos bem. Ainda que não estejas tão próximo aos olhos.

À deriva vale tudo, mas nem sempre tudo dá certo. E, na verdade, tô meio afogada nessas analogias com barcos, balsas, navios e o caralho navegante a quatro.

Porque o meu, meu amigo, está sempre afundando. Constantemente, se eu tapo um buraco, me aparece outro.

Pode ser isso, aperta o meu calo.

E eu sou meio insana em comentários, não me faça passar vergonha de novo.

Beijocas afetuosas e estaladas.

Ana Cecília Moura disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanessa Souza Moraes disse...

Meu blog mudou de endereço, o novo é:
http://vemcaluisa.blogspot.com/
:)